15.9.09

 

Na sequência dos últimos debates televisivos e da invasão de propostas políticas a que temos assistido, deparei-me com uma situação controversa e que me chamou logo a atenção - Obras Públicas e, em particular, o TGV.

 

Muito se tem falado, pouco se tem esclarecido e muitas pessoas continuam sem perceber se será ou não benéfico fazer investimentos como estes, dada a insustentável situação em que se encontra a nossa dívida pública, ano após ano.

 

Antes de mais, julgo ser necessário, para entender este imbróglio de palavras trocadas entre os líderes partidários, definir correctamente um conceito essencial – Investimento.  Ora, investir, genericamente, é evitar algum consumo imediato e aplicar os bens assim poupados numa actividade económica, com o fim de aumentar a riqueza. Investir não é criar emprego, senão subsidiariamente.

 

Acontece que os socialistas têm vindo a dizer, insistentemente,  que investir no TGV é necessário, primeiro, porque vai empregar muita gente e, em segundo lugar, porque nos vai resolver o problema da nossa periferia, ligando-nos à Europa.

No entanto, já sabemos que investir não tem por finalidade primeira criar emprego, mas sim riqueza, e ninguém conseguiu, até agora, provar que o TGV vai criar riqueza neste País. Portanto, se o TGV não é rentável, a enorme dívida que vamos assumir para o construir, vai ser paga com quê?

 

Quanto à questão da periferia, temos de sugerir aos que dizem que temos esse problema que abram os olhos e vejam o “mapamundi”,  para poderem responder à seguinte questão: quantos países existem no mundo que estão no centro geométrico de quatro continentes e têm uma zona económica marítima dez vezes a área do seu território?

 

Resposta: além de Portugal, não conheço mais nenhum! Portugal, por via marítima, e graças ao Oceano Atlântico onde sempre se sentiu “em casa”, pode chegar à Europa, à África, à América do Sul e do Norte. E, sem grande esforço adicional, está na Àsia.

Periferia? Que cegueira…

 

Para justificar o investimento em Obras Públicas, Sócrates disse, e bem: “ as obras públicas, foram uma arma essencial para os EUA ultrapassarem a Grande Depressão dos anos 30”. É verdade, historicamente foi assim. Mas Sócrates parece esquecer-se de um “pequeno” detalhe, que faz toda a diferença: é que, nos EUA, naquela época, quando se construía uma auto-estrada, não só se aumentava de imediato o emprego como, de seguida, os americanos iam comprar carros à General Motors, ou à Ford, e camiões à Chrysler, gerando valor para a indústria automóvel americana. Depois, usavam as auto-estradas para baixar o preço dos transportes de longo curso, aumentando de imediato o tráfego de mercadorias e o comércio entre Estados. Por isso, esse investimento em infra-estruturas públicas gerou, de facto, muita riqueza e estimulou toda a economia dos Estados Unidos.

 

Ora nada disso vai acontecer aqui, porque o Português, coitado, depois de, na maior das alegrias, construir as tais estradas ou, neste caso, o TGV, acaba a comprar carros à Alemanha, ou à França, ou a ir buscar leite de refugo à Europa, enquanto os nossos produtores empobrecem com a baixa de preços! Em resumo, ficamos endividados com as obras públicas, mas o dinheiro distribuído durante a sua construção só servirá para criar riqueza nos parceiros europeus, enquanto foram eles a produzir a maioria dos bens que consumimos, e não tivermos nada para lhes vender em troca!

 

Vamos investir, pois, mas para criar riqueza!

 

Inevitavelmente, bom investimento estimulará a actividade económica, e acabará gerando emprego sustentável. Claro que, para investir assim, é preciso saber como se cria riqueza – e aí sim, é que está o nosso verdadeiro problema.

 

Primeiro, em Portugal existem preconceitos esquerdistas contra as empresas, os empresários, o lucro, que afastam da nossa cultura, dos nossos hábitos e dos nossos sonhos o paradigma base da economia livre e capitalista: a iniciativa de cada um, o trabalho árduo, a poupança, o investimento, a empresa, o lucro. Afastam, também, os mais capazes e os mais audaciosos, que são atraídos para os Países onde as oportunidades existem.  

 

Em segundo lugar, numa economia mundial aberta e concorrencial, criar riqueza pressupõe fazer coisas melhores que as já existentes, para conquistar mercado. Não basta o velho planeamento das “sociedades socialistas”, que ruíram economicamente com a queda do Muro. E quando ouvimos o secretário-geral do Partido Comunista falar em investimento como “fortalecimento do aparelho produtivo”, sabemos que esta a falar do velho “planeamento”, do investimento público decidido nos gabinetes da política partidária, dos políticos “determinados”, como Sócrates…

 

Parece que não aprendemos nada com as desgraças e os falhanços do século XX.

 

(Texto elaborado por Miguel Botelho, vogal da CPS - Secção B)

LinkUma ideia de JSD Secção B, às 17:57  Opinar

De David Miguel a 16 de Setembro de 2009 às 16:04
Acho que foi uma exposição muito boa!

Sugiro ainda esta visita:
http://forumeuroparl.blogspot.com/2009/09/lider-do-psd-em-castelo-branco.html
(com referência à temática do TGV e investimeneto público)

Mensagem do Presidente

Bem-vindo ao blog da B. A Secção B sempre se distinguiu por uma forma de estar na Política, fazer Política, mas principalmente pensar Politica. Este espaço é disso representativo: um local de debate, troca de ideias e ideais. Participa, temos as portas abertas a todos os contributos! Abraço e até já! Guilherme Diaz-Bérrio
Queres saber mais? Procura-nos:
No Twitter através de http://twitter.com/JSDSeccaoB No Facebook em http://www.facebook.com/pages/JSD-Seccao-B/105330659538096?ref=mf Ou enviando-nos um e-mail a solicitar a inscrição na mailing list para seccaob.jsd@gmail.com
Notícias

Presidenciais

Acreditas em Portugal? Se acreditas no teu país e num bom Presidente, vota em algúem que tem competência, experiência de vida e que respeita os interesses do teu país. Dia 23 de Janeiro, VOTA Cavaco Silva
Órgãos da Secção
. MESA DO PLENÁRIO Presidente:
João Gomes da Silva
Vice-Presidente:
Inês Palma Ramalho
Secretário:
Ana Sofia Lamares
Suplentes:
Sara Castanho
Nuno Martins
José Carlos Pereira

. COMISSÃO POLÍTICA Presidente:
Guilherme Diaz-Bérrio
Vice-Presidentes:
João Prazeres de Matos
Joana Tenazinha
Michael Dean Fialho
Secretário-Geral:
Diogo Santos
Vogal:
Nuno Miller Bastos
Essi Leppänen da Silva
Ivan Roque Duarte
Leonor Vieira
Luís Miguel Frias Figueiredo e Oliveira
Maria Inês Bandeiras
João Lemos Esteves
Ricardo Soares
Suplentes:
Rita Fidalgo Fonseca
Miguel Botelho
Ana João Pissarra
Jorge Pinheiro
Isabel Domingues
Luís Santos
Raquel Vilão
Vasco Borges Moreira
Tiago Venâncio de Matos
Filipe Carvalho
Abel Silva
Inês Rocheta Cassiano
Ricardo Monteiro
Política de Verdade
Pesquisa no Blog
 
Think Tank
Onde estamos
Morada:
Campo Pequeno, 16-3º, Lx

E-mail: seccaob.jsd@gmail.com

Analytics