5.2.10

 

Hoje Portugal vive como sempre viveu. Em crise. Porém, a crise de hoje, segundo os especialistas está aliada a uma grave crise internacional. Esta situação fez tocar as campainhas no país, mas iremos certamente viver o mesmo que a nossa história recente ditou. Não será o FMI a vir salvar este cantinho na Europa, mas sim a União Europeia a vir dar uma mãozinha, e independentemente da cor política a governar, lá iremos cumprir as ordens externas e continuar no nosso caminho.

 

Portugal hoje não se pode fechar ao mundo. É neste contexto que é urgente passarmos da típica análise aos problemas que nos afectam, desde o défice, da dívida pública, da balança comercial desfavorável até aos típicos problemas do português de falta de planeamento, para novas soluções. O desenrascanço é, de facto, um traço luso. Mas, hoje Portugal vive num mundo global, somos apenas 10 milhões de portugueses, admito que podemos ser 11 milhões de portugueses, e como tal, para crescermos e gerarmos mais emprego, a internacionalização das nossas empresas torna-se urgente e premente. Ora, neste contexto, as empresas portuguesas necessitam de ir para o mercado externo, com algumas valências diferentes. É neste momento que surge a bandeira da inovação. Todos nós utilizamos a palavra inovação a toda a hora mas, na verdade, ela é apenas compreendida em parte ou utilizada de forma abusiva. A necessidade de apresentarmos ao mundo, em Portugal e em qualquer país um produto ou serviço diferente ou significativamente melhorado é a chave para um aumento do número de vendas e um crescimento da produtividade. As empresas devem encarar o futuro com um grau de especialização e de espírito sem aversão a mudanças, quer de modelos de negócio, quer de relações humanas. Deve existir um sentido de fomentar a inovação. Mas como? De facto, longe vão os tempos de que inovação era apenas e só uma ideia genial de um qualquer colaborador num determinado momento. Agora, os tempos são outros, o investimento em inovação carece de um processo claro de gestão de inovação. É um conceito que deve começar a entrar nas empresas portuguesas, quer sejam micro, nano, pequenas, médias ou grandes. Todos, sem excepção devem começar a fazer um esforço de gerir a inovação tanto intra-muros, como extra-muros através de vigilância ou acompanhamento dos mercados onde operam.

 

A inovação começa nos locais de trabalho, nas metodologias utilizadas e na sensibilização de todos para participarem com ideias, sugestões e opiniões. Do funcionário da fábrica ao CEO, do responsável de vendas ao Director Financeiro, é inegável que uma melhoria, uma nova ideia ou uma pequena alteração pode estar bem presente e permitir apresentar ao mercado global novas soluções de negócio. Deve, porém, existir um espírito claro: não reinventar a roda. Este é um erro, que muitas empresas, organizações e associações promovem. Fazer em duplicado só para mostrar serviço, só atrasa, só piora. Bem sei que hoje o mercado é competitivo. Mas cooperar, por vezes, pode ser bem mais rentável do que apenas competir por imitação ou seguidismo. É urgente a criação de uma cultura de inovação em Portugal. Essa cultura necessita de rigor, planeamento, coordenação. A comunicação interna como referi anteriormente é fundamental para a possibilidade inovar, mas deve ser acompanhada do envolvimento dos clientes das empresas e dos fornecedores. Inovação deve fazer parte das preocupações das administrações, da gestão de topo, deve ser claramente incentivada internamente.

 

Portugal precisa de uma sociedade civil forte. De empresas pujantes e com capacidade de crescimento acima da média. Não será na quantidade que iremos concorrer com os produtos/serviços de outros países, tem e só pode ser através da qualidade e de factores diferenciados. Não é ao Estado que compete salvar todas as empresas, o Estado deve ter aqui um papel de incentivar, deve apoiar de forma a dar asas e não subsidiar e garantir tudo a todos. O papel do Estado na Inovação do País deve ser feito internamente e nas estruturas da função pública, a torná-las menos burocráticas e mais eficientes. Neste caso é importante referir que o Plano Tecnológico tem dado alguns passos positivos nesse sentido. Mas não chega. É preciso mais e ir mais além. É preciso criar um espírito de inovação, de apelo à criatividade dos portugueses. Esse espírito poderá ser uma boa forma de aparecimento de empreendedores. Aproveitar o típico desenrascanço luso e introduzir planeamento e rigor só pode tornar Portugal um país competitivo e capaz de criar emprego e uma vida mais benéfica a quem mora neste país. Exemplos de sucesso em Portugal existem, exemplos de sucesso de portugueses na Diáspora existem, agora é tempo de Portugal ser um exemplo de sucesso e não apenas de casos isolados de sucesso.

Nota: texto publicado no Instituto Sá Carneiro: http://www.institutosacarneiro.pt/?idc=500

LinkUma ideia de Diogo Agostinho, às 07:04  Opinar

Mensagem do Presidente

Bem-vindo ao blog da B. A Secção B sempre se distinguiu por uma forma de estar na Política, fazer Política, mas principalmente pensar Politica. Este espaço é disso representativo: um local de debate, troca de ideias e ideais. Participa, temos as portas abertas a todos os contributos! Abraço e até já! Guilherme Diaz-Bérrio
Queres saber mais? Procura-nos:
No Twitter através de http://twitter.com/JSDSeccaoB No Facebook em http://www.facebook.com/pages/JSD-Seccao-B/105330659538096?ref=mf Ou enviando-nos um e-mail a solicitar a inscrição na mailing list para seccaob.jsd@gmail.com
Notícias

Presidenciais

Acreditas em Portugal? Se acreditas no teu país e num bom Presidente, vota em algúem que tem competência, experiência de vida e que respeita os interesses do teu país. Dia 23 de Janeiro, VOTA Cavaco Silva
Órgãos da Secção
. MESA DO PLENÁRIO Presidente:
João Gomes da Silva
Vice-Presidente:
Inês Palma Ramalho
Secretário:
Ana Sofia Lamares
Suplentes:
Sara Castanho
Nuno Martins
José Carlos Pereira

. COMISSÃO POLÍTICA Presidente:
Guilherme Diaz-Bérrio
Vice-Presidentes:
João Prazeres de Matos
Joana Tenazinha
Michael Dean Fialho
Secretário-Geral:
Diogo Santos
Vogal:
Nuno Miller Bastos
Essi Leppänen da Silva
Ivan Roque Duarte
Leonor Vieira
Luís Miguel Frias Figueiredo e Oliveira
Maria Inês Bandeiras
João Lemos Esteves
Ricardo Soares
Suplentes:
Rita Fidalgo Fonseca
Miguel Botelho
Ana João Pissarra
Jorge Pinheiro
Isabel Domingues
Luís Santos
Raquel Vilão
Vasco Borges Moreira
Tiago Venâncio de Matos
Filipe Carvalho
Abel Silva
Inês Rocheta Cassiano
Ricardo Monteiro
Política de Verdade
Pesquisa no Blog
 
Think Tank
Onde estamos
Morada:
Campo Pequeno, 16-3º, Lx

E-mail: seccaob.jsd@gmail.com

Analytics